Visitantes

22 de junho de 2012

Poeta condenado, ou bijouterias.
















Versos que me acompanham e que me sangra a alma;
Por tempos pensei que ausência era solidão.
Refugi por caminhos de pântanos onde a poesia acalma
A tese de poeta por letras de veludos sem razão.

Por teus afetos
Que me tornei um homem melhor,
Contudo, quando lembro ser poeta
Aperta-me o peito o destino em permanecer só.
Já chorei, já sorri...
Ainda não descobri o que é pior,
Se pela alegria de encontrar, se pela dor de partir
Ou por estar condenado ao ciclo de viver, morrer e tornar pó.

Por versos, reversos, lágrimas e bijouterias;
Repousa-me entre teus seios onde a tarde não tardia,
Do contrário morro de anseio
Pelo pesadelo da sombra do dia.
O grito implora e faz um apelo:
A realidade que impõe medo
É a verdade nua, crua,permanente e fria.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os textos são autoria de Giliardi Rodrigues. Proibida a reprodução de qualquer texto sem prévia autorização do autor.

Leia mais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...