Visitantes

20 de novembro de 2012

Sem controvérsias




Quanto, enquanto e porquanto?
Seja assim
Ou deixe estar por enquanto.
Tente com calma entender a alma
De quem ainda se esconde pelos cantos.
Um cálice quebrado
Ou um fardo que de pensar causa espanto.
Implorava pela a presença
Pelo respeito, pela carência.
Pela a esfinge destoante da lagrima em pranto.
Lembra-te do corte,
Da poesia algema de quebranto forte
Da dor que senti quando descobri que não era santo.
Dormia em meus ombros,
Chorava de ansiedade e de assombro,
Na verdade ninguém sabe o aconteceu, no entanto...




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os textos são autoria de Giliardi Rodrigues. Proibida a reprodução de qualquer texto sem prévia autorização do autor.

Leia mais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...