Visitantes

27 de setembro de 2015

de nada, por nada...

De nada e por nada,
Mas, quando a saudade é boa, a gente mata.
O orgulho as vezes seca
E desseca tuas palavras.
Entenda que não choro com lagrimas,
Tão pouco, guardo rancor.
Não me lembro das falsas promessas
E nem daquilo que chamavas de amor.









Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os textos são autoria de Giliardi Rodrigues. Proibida a reprodução de qualquer texto sem prévia autorização do autor.

Leia mais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...