Visitantes

22 de maio de 2017

Entre a vida e a morte.




Desnudo-me de toda santidade e hipocrisia,
De toda ideia absoluta
E supostas verdades.
Dilacero-me com subserviência
E rasgo Minh ‘alma de fora para dentro.
Embriaguei-me com o cálice da mortalidade
Mas dentro de mim ainda resta o fôlego da eternidade.

Já não vivo pelo o amor
Todavia pelo o prazer que ele me propõe.
Não me importa o mundo e suas mazelas,
Pois, não vivo por circunstancias.
E não morro por ideologias.

Não há duvidas, não há certezas (...).
Apenas percepções, concepções e interpretações.
Não temo a morte
E por isso estou sempre na contramão.
Em verdade vos digo que:
“A vida sempre valerá a pena”
Como num bom filme a sua ultima cena. 







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os textos são autoria de Giliardi Rodrigues. Proibida a reprodução de qualquer texto sem prévia autorização do autor.

Leia mais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...