Visitantes

16 de outubro de 2016

Quando me desfaço, ou me disfarço.






Ultrapasso-me nos meus próprios passos
Construo, evoluo e me desfaço.
Sou uma espécie de homem de carne
Com os nervos de aço.
Não acredito no destino,
Tão pouco nas obras do acaso.
Ainda desafinado e sem compasso
Sigo firme; sem medo do fracasso.
Galgando “passo a passo”
Na perspectiva de um sonho já escasso.
Dizem que não existe nada melhor que um abraço
E nada mais engraçado que um palhaço.
Mas a coisa que mais me engraço
É o uma desejo ao qual me entrelaço. 








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os textos são autoria de Giliardi Rodrigues. Proibida a reprodução de qualquer texto sem prévia autorização do autor.

Leia mais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...